Paciente com suspeita de covid briga em UPA e funcionários chamam a polícia

Mulher se irritou com demora no atendimento e falta de protocolo para receber pessoas com a doença

| BRUNA MARQUES / CAMPO GRANDE NEWS


Foto: Divulgação

Auxiliar de saúde bocal, 30 anos, com sintomas de covid, se irritou com a demora no atendimento no UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) Coronel Antonino e discutiu com as enfermeiras do plantão.

A denúncia chegou ao Campo Grande através do canal Direto das Ruas. De acordo com a mulher, ela chegou na unidade saúde por volta das 9h40 e até as 13h ainda não tinha sido atendida. Sentindo dores no corpo, com coriza e febre, ela reclama do descaso da equipe de enfermagem, e principalmente, da fatal de protocolo para atender pacientes com sintoma de covid.

“Emitiram minha ficha para triagem, falaram que não faziam o teste aqui, mas eu disse que precisava passar por atendimento médico para entregar atestado no serviço. Passei pela triagem, falei que estou com os sintomas, aferiram minha pressão e depois que eu sai eles não higienizaram nada. Na sequência chamou outra pessoa sem fazer limpeza nenhuma', disse.

Após mais de duas horas aguardado atendimento, a mulher procurou a assistente social do UPA para relatar a situação e segundo ela, a funcionária disse que “o posto não mais protocolo de atendimento, a covid não é mais como antes e não tem mais pandemia“, relatou.

Enquanto esperava pelo atendimento, a mulher soube que no UPA tinham apenas três médicos atendendo. Indignada, ela resolveu denunciar a situação na ouvidora da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) e foi informada que no local teria que ter cinco profissionais de plantão.

Após perder a paciência com a demora no atendimento e o descaso com ela e os outros pacientes que aguardavam atendimento, ela foi até as enfermeiras e começou a discutir com as profissionais. A confusão foi filmada por um homem que também aguardava na recepção.

De acordo com a mulher, depois da discussão, dois guardas municipais ficaram dentro da unidade de saúde e na sequência, uma viatura da Polícia Militar com dois policiais chegou no local.

“Chamaram a polícia para mim, mas o médico que é bom nada. Isso é um absurdo, eu não vou me calar, estou aqui aguardado atendimento e até agora não me atenderam', finalizou.

A reportagem solicitou posicionamento da Sesau e aguarda retorno.

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9.9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


ÚLTIMAS NOTÍCIAS





























































PUBLICIDADE
PUBLICIDADE